Portal de Eventos Científicos do PPGMUS-UFBA, 2º CONGRESSO BRASILEIRO DE ICONOGRAFIA MUSICAL

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

A ICONOGRAFIA MUSICAL NAS IGREJAS DO CARMO DO NORDESTE BRASILEIRO

Amarilis Rebuá Mattos, Pablo Sotuyo Blanco

Última alteração: 2018-07-29

Resumo


No período que compreende o final do século XVI e o século XVIII os frades carmelitas construíram diversos conventos e Igrejas nas cidades de Olinda, Recife, Salvador, Goiana e João Pessoa que hoje fazem parte do conjunto histórico arquitetônico destas cidades. Alguns deles foram destruídos tanto pelas guerras com os holandeses quanto pelo fogo e reconstruídos posteriormente alterando sua estrutura original. Os institutos do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e estadual, que buscam a reconstituição original das pinturas, esculturas e arquiteturas danificadas pela ação do homem e do tempo, conseguiram restaurar diversas iconografias musicais existentes em alguns destes acervos históricos carmelitanos. Neste trabalho estas iconografias serão analisadas quanto ao seu significado, localização dentro do templo, relação com a Ordem Carmelitana, seu estado de conservação e identificação de seus autores. Fazem parte deste trabalho as iconografias musicais pertencentes às seguintes Igrejas: Igreja de Nossa Senhora do Carmo da cidade de João Pessoa, Estado da Paraíba, que compreende o antigo Convento do Carmo, atual Palácio Episcopal e sede da Arquidiocese da Paraíba; as igrejas e conventos do Estado de Pernambuco como o Convento do Carmo de Goiana; Igreja de Santo Antônio do Carmo e a Igreja do Desterro, antiga capela da Ordem Segunda do Carmo da cidade de Olinda; Basílica de Nossa Senhora do Carmo e Ordem Terceira do Carmo de Recife e do Estado da Bahia as igrejas de Nossa Senhora do Carmo e da Ordem Terceira do Carmo de Salvador.



Texto completo: PDF