Portal de Eventos Científicos do PPGMUS-UFBA, 2º CONGRESSO BRASILEIRO DE ICONOGRAFIA MUSICAL

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

Registro iconográfico de Guilherme de Mello: uma investigação sobre a questão étnica em A música no Brasil

Gustavo Frosi Benetti, Pablo Sotuyo Blanco

Última alteração: 2018-07-29

Resumo


A obra de Guilherme de Mello, A musica no Brasil desde os tempos coloniaes até o primeiro decenio da Republica, foi amplamente influenciada por teorias evolucionistas e racistas estabelecidas no Brasil a partir das últimas décadas do século XIX. No discurso de Mello é possível perceber um certo preconceito com relação aos nativos e, principalmente, aos negros, a quem trata como inferiores culturalmente. Em pesquisas musicológicas brasileiras a partir da década de 1980, acreditava-se que Mello fosse mulato, e esse desprezo fosse uma negação de sua suposta etnia. No entanto, nas recentes pesquisas desenvolvidas por mim para o projeto de doutoramento Guilherme de Mello revisitado: uma análise da obra 'A musica no Brasil', foi possível reunir informações que permitiram questionar tal suposição e cogitar a possibilidade dele ter sido branco. Isto foi confirmado ao localizarmos um retrato fotográfico impresso em jornal. Assim, este trabalho se propõe a discutir as questões étnicas envolvidas na obra de Mello confrontadas com a iconografia correlata.



Texto completo: PDF