Portal de Eventos Científicos do PPGMUS-UFBA, 3º CONGRESSO BRASILEIRO DE ICONOGRAFIA MUSICAL

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

Os anjos músicos da catedral: estudo iconográfico musical sobre a pintura do altar mor da catedral metropolitana de Aracaju (SE)

Thais Fernanda Vicente Rabelo

Última alteração: 2015-06-22

Resumo


A antiga matriz de Aracaju (SE), construída no último quartel do século XIX, só se tornou catedral em 1910. O prédio passou por uma grande reforma na primeira metade do século XX, concluída em 1946 - Reforma esta que modificaria em muito, não apenas o aparato artístico da igreja, como também sua forma arquitetônica. Sua arquitetura e obras de arte refletem as mudanças ocorridas em função da reforma e seu estilo não pode ser definido com exatidão, uma vez que apresenta características marcantes do neogótico, bem como alguns elementos do neoclássico (reminiscentes, sobretudo, da construção original). Consagrada a Nossa Senhora da Conceição, a catedral de Aracaju apresenta, na parede central do altar mor, duas cenas que refletem a devoção mariana na região através de dois dogmas marianos. Um dos dogmas está representado em ambas as cenas nas quais se retrata a própria imagem da Imaculada Conceição. Ao centro encontra-se a cena da Assunção da Virgem Maria e acima, sua Coroação. Há dois anjos músicos (objeto central desse estudo) que ladeiam a representação da coroação, mas não estão inseridos na cena. A pintura do altar mor é atribuída a Orestes Gatti (pintor, escultor e fundidor italiano). Nesse sentido, as pinturas da catedral de Aracaju refletem a passagem da missão italiana por Sergipe, que muito modificariam a arquitetura aracajuana, em função do Centenário da Independência do Estado em 1920. Enquanto estudo musicológico, fundamentado especialmente na Iconografia e na Organologia, o presente trabalho consiste na descrição e análise em torno dos dois anjos músicos, procurando estudá-los quanto ao aspecto simbólico e organológico, bem como através da contextualização com todo o conjunto iconográfico da parede central.


Texto completo: PDF